Papai Noel russo e a donzela de neve

terça-feira, 25 de dezembro de 2012.


O Brasil está acostumado com o fato que no mundo inteiro o Papai Noel traz presentes para todos no Natal. Mas nem todos os lugares são iguais. Na Rússia no lugar do Papai Noel tem outro personagem que se chama Ded Moroz. Muita gente traduza esse nome em português como Vovô Gelo. Mas é mais fácil entender significado do nome para pessoas quem falam o idioma inglês – Grandfather Frost. Porque a palavra “moroz” significa que o estado da temperatura é tão frio que tudo congela. Então mais frio do que o “frio” que os brasilheiros estão acostumados. Ded Moroz é um velinho que entrega os presentes para crianças na festa do Ano Novo, e não é no Natal que é celebração religiosa e inclui outros personagens sobre quais eu escrevo mais tarde. Ded Moroz tem uma neta Snegurochka (Снегурочка) que ajuda para vovo. Vamos dar uma olhada na sua história e diferença com Papai Noel.
 Quem é este nosso velho amigo e bom mago, o Papai Noel russo? Nosso Noel é uma personagem do folclore eslavo. Por muitas gerações, os eslavos orientais criaram e mantiveram uma espécie de “crônica oral” histórias em prosa, contos épicos, canções rituais, lendas e contos sobre o passado de sua terra natal.

Os eslavos orientais representaram a imagem lendária de Noel como a de um guerreiro, um ferreiro, que congela a água com um “frio imobilizante”. Esse mesmo frio, muitas vezes, identifica-se com os ventos de um inverno violento. Existem vários contos populares, onde o Vento do Norte (ou Frio) ajuda os viajantes que se perderam, apontando o caminho.
O irmão bielorrusso de Papai Noel é Zyuzya, ou Deus Inverno — ele se parece a um avô com uma longa barba, que vive na floresta e anda descalço.

O Papai Noel russo tem uma imagem especial. Ele aparece em antigas lendas eslavas (Karatchún, Pózvizd, Zímnik), em contos populares russos, no folclore, na literatura russa (na peça de A. N. Ostróvski ‘A Donzela da neve’, no poema de Nekrásov “Frio, Nariz Vermelho”, nos versos de V. Ya. Bryússov “Ao Rei do Pólo Norte”, na saga carélio-finlandesa “Kalevala”).
Pózvizd é o deus eslavo das tempestades e do mau tempo. Ele só tinha de balançar a cabeça para cair muito granizo no chão. Ao invés de um manto, arrastava atrás de si os ventos, e da gola de suas vestes caíam flocos de neve. Rapidamente Pózvizd varreu os céus, acompanhado por um cortejo de tempestades e furacões.
Nas lendas dos eslavos antigos, ainda existia outro personagem: Zímnik. Ele, como o Frio, era representado como um velho homem de estatura mediana, com cabelos brancos e longa barba branca, com a cabeça descoberta, em quentes roupas brancas e com uma clava de ferro nas mãos. Aonde ele vai, espere por um frio brutal.
Entre as divindades eslavas destacou-se, por sua ferocidade, Karatchún, um espírito maligno que abrevia a vida. Os eslavos antigos o consideravam um deus subterrâneo, que comandava o frio. Mas, ao longo do tempo, o Frio mudou. Grave, na companhia do sol e do vento, atravessando o chão e matavam de frio aqueles mujiques que encontrava pelo caminho (no conto bielorrusso “Frost, Sol e Vento”), ele, gradualmente, transforma-se de um terrível para um avô justo e bom.

Hoje, o nome de Papai Noel está preservado em alguns povos eslavos ocidentais: na Bulgária, seu nome é “Dyado Koleda”, na Sérvia, Montenegro e Bósnia-Herzegovina, “Deda Mraz”, na Eslovênia, “Dedek Mraz” etc.
Na Ucrânia, o Papai Noel “está tentando” substituir São Nicolau. Por exemplo, o autor do artigo na Wikipedia diz que o protótipo de Papai Noel era apenas São Nicolau, mas, agora, sabemos que isso não é verdade: São Nicolau pode ser considerado, apenas, como um irmão mais novo, mas, certamente, não um protótipo de Papai Noel. Ainda, o autor justifica um retorno a Nicolau, pelo fato de que na época soviética, ele fora substituído por Papai Noel, e agora, é preciso voltar à utilização de Nicolau. Bem, cada um é cada um…

O caráter rude do Papai Noel

Nos contos de fadas russos, Papai Noel é retratado como um espírito leviano, rigoroso, mas, é o espítiro justo do inverno. Leiam o conto popular russo “Morozko”. Morozko gelou e congelou uma boa e trabalhadora moça, mas, depois, congelou, até amorte, uma perversa e preguiçosa moça. Portanto, para evitar problemas, algumas pessoas do norte também dão presentes do velho Noel: na noite festiva, jogam, acima do limite de suas casas, tortas, carne, derramam vinho, para que seu espírito não fique zangado, não interfira na caça, não arruine as colheitas.


Aparência do Papai Noel

 Vamos tentar identificar as principais características da imagem do Papai Noel, que correspondem às aparências históricas e contemporâneas desse fantástico mágico. Segundo um dos pesquisadores da imagem de Papai Noel, a candidata de ciências históricas, historiadora de arte e antropóloga Svetlana Vassílievna Zharnikova, a tradicional imagem de Papai Noel, segundo a mitologia antiga e o simbolismo das cores, sugere:
 Barba e cabelo – espessos, cinzas (prateados). Estes detalhes são a aparência, mas seu significado “fisiológico” (um velho – o cinza) trazem também um grande personagem simbólico que denota o poder, a felicidade, a prosperidade e adivindade. Espantosamente, mas exatamente o cabelo é o único detalhe da aparência que não sofreu, em mil anos, nenhuma mudança significativa.
 Camisa e calças – brancas, de linho, decoradas com adorno geométrico branco (símbolo da pureza). Este detalhe praticamente estava perdido na idéia moderna de uma roupa. Aqueles que fazem o papel de Papai Noel preferem cobrir o pescoço com um cachecol branco (o que é permitido). Para a calça, como regra, não prestam atenção ou a confeccionam com o vermelho do casaco.
 Casaco de pele – longo (até o tornozelo ou até a panturrilha), geralmente vermelho, bordado com prata (com estrelas de oito pontas, cruzes e outros ornamentos tradicionais), enfeitado com uma pena de cisne. Alguns figurinos teatrais modernos, infelizmente, pecam pelos experimentos no campo das cores e substituição de materiais. Certamente, muitos têm observado um mago de cabelos brancos em um casaco azul ou verde. Se assim for, saibam que não é o Papai Noel, mas, sim, um de seus muitos “irmãos menores”. Se o casaco é curto (a perna à vista) ou se tem claramente botões expressivos, então à frente de vocês está a roupa de Santa Claus, de Pere Noël ou algum dos imãos estrangeiros do Papai Noel. Mas a substituição da pena de cisne por uma pele branca, embora não seja desejável, é ainda aceitável.
 Gorro – vermelho, bordado com prata e pérolas. A guarnição (atrás) com pena de cisne (de pele branca) com um corte triangular feito na parte da frente (chifres estilizados). A forma do gorro é semi-oval (a forma redonda é tradicional para os czares da Rússia, é o suficiente para lembrar a coroa de Ivã, o Terrível). Além da imponente relação à cor, como descrito acima, hoje, o figurino teatral tentou diversificar a decoração, e a forma do gorro do Papai Noel. Caracterizam-se os seguintes “erros”: a substituição de pérolas por diamantes de vidro e pedras preciosas (aceitável), sem um corte para formar a aba , um gorro com forma semicircular exata (à moda de Vladímir Monomakh).

Luvas de três dedos ou luvas de um dedo – brancas, bordadas com prata – um símbolo de toda a pureza e santidade, que ele dá com suas prórpias mãos. A luva de três dedos é um símbolo que pertence ao início divina que vem do Neolítico. O significado simbólico das modernas luvas vermelhas de um dedo é desconhecido.
Cinto – branco com enfeite vermelho (símbolo de respeito aos antepassados e descendentes, bem como um guardião forte). Hoje, preservou-se como parte do traje, tendo-se perdido completamente seu significado simbólico e a cor adequada.
 Calçados – prateados ou vermelhos, bordados como botas com biqueira de prata levantada. Calcanhar de tamanho pequeno, oblíquo ou completamente ausente. Em um dia gélido, o Papai Noel calça botas brancas, bordadas de prata. Branco e prata – um símbolo da lua, da santidade, do norte, e da pureza da água.
 Bordão – de cristal ou de prata “sob o cristal”. Punho torcido, apenas um adorno de cor branco-prateada. O bordão termina em forma de lua (a imagem estilizada de um mês) ou na cabeça de um touro (símbolo da fertilidade, poder e felicidade). Hoje, é difícil encontrar um bordão adequado a estas descrições.
 A fantasia dos artistas-estilistas atuais e a sua “criatividade” mudam quase completamente o que foi invariável por séculos como é a imagem da preferência nacional. A imitação estrangeira de irmãos mais jovens, a mudança nos elementos sacrais, mesmo sob o disfarce de Papai Noel, a abundância de propaganda importada com Papais Noeis pode ser uma piada cruel: a futura geração de crianças que olhar para suas tradições nativas já não saberá quem é o Papai Noel e Snegúrotchka, e só vai pendurar meias na lareira, o que, na Rússia, não é comum.

Local de residência do Papai Noel

Dizer ao certo onde vive o Papai Noel russo é difícil, pois existem muitas lendas. Alguns argumentam que o Papai Noel vem do Pólo Norte, enquanto outros dizem que da Lapônia. Uma coisa é certa: o Papai Noel vive em algum lugar no extremo norte, onde há inverno durante todo o ano. Embora o conto de V. F. Odoyevski “Moroz Ivanóvitch” Frio, nariz vermelho, na primavera muda-se para dentro do poço, onde “também o verão é muito frio”.

A Netinha do Papai Noel, Snegúrotchka

Mais tarde, apareceu a neta do Papai Noel, Snegurka ou Snegúrotchka, a heroína de muitos contos de fadas russos, a menina de neve. Sim, e o próprio Papai Noel mudou: ele passou a trazer presentes para as crianças no Ano Novo e realizar os desejos secretos. A imagem de Snegúrotchka é exclusiva da cultura russa. No Ano Novo e no Natal do ocidente, a mitologia não tem personagens femininas. A menina loira com trança até a cintura, em um casaco de pele, com pele ornamentada e botas curtas: pelo que sabemos, a Donzela da Neve, que ajuda o Papai Noel, dá presentes no Ano Novo. Aacompanhante do Papai Noel, Snegúrotchka, deve estar toda vestida de vestes brancas. Outra cor, no simbolismo tradicional, não é permitida. Sua cabeça é adornada com a coroa de oito pontas, o que também está registrado em textos antigos.
Como foi que aconteceu que nós passamos a ter a Donzela de Neve, que é a encarnação viva da “juventude e do primeiro amor”? As Snegurkas e os bonecos de neve, na Rússia, têm sido conhecidos como aves que produzem o inverno em nossas florestas, e até mesmo “que a índole de um homem se amolda na neve” – escreve V. I. Dahl.

Desde tempos imemoriais, nossos ancestrais foram moldados, a partir do dia de São Esperidião (25 de dezembro), bonecos de neve – ídolos do Vovô Neve. A crença de que o boneco de neve pode vir à vida refletiu-se nos contos. Por exemplo, os avós, muitas vezes sem filhos, observando pela janela como as crianças andavam na neve, também, saiam e moldavam uma neta, uma assistente de neve, que, depois, vinha à vida. Chegando em casa, Snegúrotchka dizia: “Vovó, eu estou com fome”.
O pesquisador do folclore russo A. N. Afanassyev, em seus “Contos populares russos”, escreveu sobre como o “homem velho saiu para a rua, amontoou muita neve e colocou-a sobre o fogão – e assim tornou-se a menina Snezhevínotchka”.
Nascida a partir da neve, Snegúrotchka – Snezhevínotchka, que Ostróvski descreveu em sua peça “A Donzela de Neve”, era uma menina viva, a filha do Frio e da Primavera, e “em suas veias corria secretamete o sangue quente da mãe”.

 Snegúrotchka tem irmãs, embora não sejam nativas, mas têm nomes. É verdadeira princesa  pushkiniana do conto de fadas Branca de Neve dos Irmãos Grimm. A madrasta malvada fala de sua enteada no conto de A. S. Púchkin “Sobre a princesa e os sete cavaleiros” – “E não se admire quão bela: a mãe barriguda apenas sentou-se na neve e observou”. Branca de Neve também apareceu depois que sua mãe, a rainha, por um longo tempo sentada à janela, ficou olhando os flocos de neve que voavam como uma pena. A rainha estava ansiosa para ter sua filha, “branca como a neve”. Como diz uma crença popular: se uma mulher vai olhar para a neve, ela pode dar a luz à Branca de Neve. Em um conto do folclore alemão, a esposa do comerciante Schwab deu a luz a uma menina, logo que engoliu um pedaço de neve.
Na primavera, Snegúrotchka desaparece misteriosamente, “cresce com as flores”. Ela volta para o reino Berendeevo, onde A. Ostróvski destina um lugar para a fantasia dela, crenças populares energizada no poder mágico de neve, que desencadeia do ar um branco leve, que a princípio vai cobrir todo o mundo de Deus, e em seguida, tornar-se a água primaveril.

O Papai Noel e a Igreja Ortodoxa Russa

A posição da Igreja Ortodoxa Russa frente o Papai Noel é ambígua: por um lado, o deus pagão e mágico, tão contrário à doutrina cristã, mas, por outro lado, a tradição cultural russa. Em 2001, o Bispo de Vologda e Velikoustyuzhski, Maximiliano, declarou que a Igreja Ortodoxa Russa apoiará o projeto “Grande Ustyug – Pátria do Papai Noel”, somente se o Papai Noel for batizado.
Como se viu, a origem do Papai Noel russo é radicalmente diferente da do Papai Noel europeu. Se Santa Claus era uma figura histórica real, que por boas obras foi considerado como um santo, Papai Noel russo é um espírito de caráter pagão das crenças populares e contos de fadas. Apesar do fato de que a imagem moderna do Papai Noel já foi formada sob a influência do caráter europeu do Ano Novo, a maioria das características russas manteve-se. E hoje, Papai Noel russo veste um casaco comprido e botas, e tem sua equipe. Ele prefere viajar a pé, pelo ar, ou em um trenó puxado por três cavalos ligeiros. Sua companheira constante é a neta Snegúrotchka. Papai Noel brinca com as crianças no jogo “Zamarozha”, e esconde os presentes de Ano Novo sob a árvore.


Esse texto foi retirado do seguinte site: http://www.cursorusso.com.br/blog/cultura-russa/papai-noel-na-russia

Comentários:

Postar um comentário

 
Mundo Obscuro © Copyright 2010 | Template By Mundo Blogger |